segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Nova Marginal Tietê: Melhorou o trânsito ? - Jornal da Tarde: Lentidão volta à Marginal do Tietê - Vereador João Antonio: Serra deixou 'monstrengo viário' na Capital - “São Paulo está fadada ao colapso no trânsito”

Assunto: Nova Marginal Tietê: Melhorou o trânsito ? - Jornal da Tarde: Lentidão volta à Marginal do Tietê - Vereador João Antonio: Serra deixou 'monstrengo viário' na Capital - “São Paulo está fadada ao colapso no trânsito”
Enviada: 16/12/2010 18:07



Lentidão volta à Marginal do Tietê

·         26 de maio de 2010 | 
·         23h13 | 


Categoria: Geral

Após uma grande melhora com a inauguração das novas pistas, a Marginal do Tietê voltou em maio a registrar longos congestionamentos. Nas três primeiras semanas do mês, a média foi de 73,51 km de lentidão ao longo das 14 horas monitoradas pela Companhia de Engenharia de Tráfego. A piora foi de 41% em relação a abril, que teve média de 52,1 km. Procurada desde quinta-feira passada, a CET não comentou o levantamento.

Os dados foram obtidos pela reportagem a partir da análise dos 476 boletins de trânsito divulgados de hora em hora pela CET no período. Foram analisadas todas as vezes em que os índices da Marginal do Tietê aparecem na parte “Principais Lentidões do Momento”, quando são informadas as cinco vias mais problemáticas daquela hora e a extensão dos congestionamentos. A via aparece praticamente ao longo de todo o dia – a CET não divulgou os dados de todas as horas monitoradas.

O confronto dos dados aponta uma possível perda de praticamente todo o ganho em fluidez obtido com a inauguração das novas pistas. Há dez dias, a companhia informou que os dados de abril apontavam uma melhora de aproximadamente 40% apenas na Marginal do Tietê. Além de novas faixas de rolagem, foi ressaltado que contribuiu para a queda nos congestionamentos a redução de 11,8% no volume de caminhões no horário de pico da manhã e de 6,8% no pico da tarde.

“Foi um alívio momentâneo. Mas esses espaços livres passaram a ser preenchidos pelos carros que antes cortavam por dentro da cidade e agora andam a marginal inteira”, diz o engenheiro e especialista em transportes Horácio Augusto Figueira.

Clique para ampliar


Dois meses após inauguração de pistas, lentidão volta a crescer na 
...

27 maio 2010 ... A análise dos principais trechos de congestionamento aponta para a ...Movimentação volta a aumentar na marginal Tietê dois meses após ...noticias.r7.com/.../dois-meses-apos-inauguracao-de-pistas-lentidao-volta-a-crescer-na-marginal-do-tiete-20100527.html - Em cache


“São Paulo está fadada ao colapso no trânsito” - São Paulo - iG

28 maio 2010 ... Conforme a Prefeitura, está em fase final de análise a escolha do projeto ...divulgou balanço dizendo que a ampliação da Marginal Tietê e o ... Conforme a CET, em abril, o congestionamento na Marginal foi 40% menor que ...ultimosegundo.ig.com.br/.../n1237638842008.html - Em cache

“São Paulo está fadada ao colapso no trânsito”

28/5/2010 13:06:03, a fonte original desta notícia está AQUI
Especialistas comentam obras e medidas adotadas em São Paulo e dizem que o modelo atual está “à beira da morte”

Se todos os 6,1 milhões de veículos existentes na cidade de São Paulo fossem enfileirados seria possível ir três vezes até Nova York, nos Estados Unidos. Na capital paulista, eles são responsáveis por recordes consecutivos de congestionamento.

O maior já registrado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) aconteceu em 10 de junho de 2009, às 19h, quando a cidade contabilizou 293 km de vias completamente paradas. É como se do centro da capital até a cidade de Bauru, no interior paulista, só tivessem filas.

Diariamente, cerca de mil novos veículos são colocados nas ruas do município, conforme a Associação Nacional de Transporte Público (ANTP). Em todo o Estado o número também é elevado. Segundo informações do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), em 1999, existiam 9.850.360 de veículos no Estado de São Paulo. Dez anos depois, esse número aumentou quase 10 milhões, saltando para pouco mais de 19 milhões.

O País hoje também é um dos líderes na fabricação de veículos novos. De acordo com a Federação Nacional de Veículos Automotores (Fenabrave), em 2004, foram emplacados 1,5 milhão de automóveis e veículos leves e o Brasil encontrava-se na 10ª posição no ranking mundial. Em 2009, com o emplacamento de 3 milhões de veículos, o País subiu para a 5ª posição, perdendo apenas para Estados Unidos, China, Japão e Alemanha.

“O nosso sistema viário está na UTI, à beira da morte”, afirma Creso de Franco Peixoto, professor de Engenharia Civil da Fundação Educacional Inaciana (FEI). “Estamos à beira do colapso. O modelo está fadado a acabar. Quando não der mais para construir vias vamos fazer o que, tirar as calçadas?”, questiona.

De acordo com os especialistas em trânsito urbano ouvidos pelo iG, “nenhuma obra viária irá resolver os problemas de São Paulo”. “Elas apenas dão sobrevida a algumas vias. As soluções passam por investimentos estruturais e mudança de comportamento. Enquanto as pessoas quiserem andar de carro, não haverá saída”, considera Marcos Bicalho, superintendente da ANTP.

Todos afirmam que a solução para o trânsito deve, inevitavelmente, passar por investimentos no transporte público. Desta forma, as pessoas se sentiriam estimuladas a deixarem o carro na garagem. Na última terça-feira, foi inaugurado o 1º trecho da Linha 4- Amarela do Metrô, que liga a estação Paulista, localizada na rua da Consolação, à estação Faria Lima, no Largo da Batata. Inaugurações como esta, dizem, deveriam ser mais frequentes. "É um investimento louvável, mas precisa ser ainda maior e integrado entre os governos federal, estadual e municipal", afirma Bicalho.

Prefeitura e governo insistem em realizar grandes obras viárias, como o Rodoanel e a ampliação da Marginal Tietê. Além disso, na tentativa de melhorar a fluidez do trânsito, adotam medidas como a restrição de caminhões e ônibus fretados no centro expandido da cidade e proibição de estacionamento em algumas vias.

Veja  o que especialistas acham das medidas adotadas para melhorar o tráfego em São Paulo:

Restrição a estacionamento de veículos
Até 2012, o motorista deve ter mais dificuldade para conseguir estacionar nas ruas do centro expandido da cidade. A Prefeitura anunciou que dará sequência a política de estacionamentos iniciada em junho de 2008 e acabará com vagas gratuitas em algumas vias. Em outras, criará zona azul. Conforme a Prefeitura, está em fase final de análise a escolha do projeto vencedor da licitação lançada pela CET para a construção de 60 novas garagens verticais com aproximadamente 400 vagas cada uma.O objetivo do prefeito Gilberto Kassab (DEM) é ampliar das atuais 33 mil vagas de zona azul para 60 mil.

A região de Moema foi uma das que já perdeu vagas de estacionamento, com a proibição de parada em 3.850 locais. Especialistas consideram a medida “amarga, mas necessária”.

“A restrição é excelente. È uma medida dolorida, amarga, mas que o prefeito precisa fazer, o trânsito precisa fluir” - João Virgílio Merighi, professor de engenharia de transportes da Universidade Presbiteriana Mackenzie

“É necessária, mas é uma atitude de eficácia curta, quase de desespero. A retirada dos bolsões de Moema melhora a mobilidade, mas logo, com o aumento dos veículos, voltará ao que era”- Creso de Franco Peixoto, professor de Engenharia Civil do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana (FEI)

“Não podemos achar que a rua, um espaço caríssimo de ser mantido, é feita para deixar carro o dia inteiro parado. A medida é virtuosa, a discussão que cabe é o que se fazer com o espaço que se ganha. A Prefeitura tem destinado todos os investimentos para dar mais fluidez aos automóveis, o que é impossível. Por mais que se gaste muito dinheiro, é insaciável. Libera-se mais via e vem mais carro. É preciso transporte público” - Marcos Bicalho, superintendente ANTP

“Antes de tomar essas medidas é necessário dar opção para a população. Antes de restringir estacionamento para carro, deve-se ter um transporte de boa qualidade” - Sílvio Médici, presidente da Associação Brasileira de Monitoramento e Controle Eletrônico de Trânsito (Abrancet)

Rodoanel
Com custo anunciado de R$ 5 bilhões, o trecho Sul do Rodoanel Governador Mário Covas foi inaugurado no dia 1º de abril deste ano. São 61,4 km que ligam cinco rodovias do Trecho Oeste - Bandeirantes, Anhanguera, Raposo Tavares, Castello Branco e Régis Bittencourt - ao sistema Anchieta-Imigrantes.

Conforme a CET, após a inauguração do Rodoanel, o volume de caminhões na avenida dos Bandeirantes diminuiu 51% no pico da tarde e 39% no pico da manhã, permitindo maior fluidez aos demais veículos. Para especialistas, no entanto, apesar de necessário, em pouco tempo ele deve estar saturado.

“O Rodoanel é obra uma fantástica, mas que deveria estar pronta há 40 anos. As autoridades que vão assumir em 2011 já têm que pensar em ampliá-lo. A área ribeira deve ser fechada para evitar a especulação imobiliária e reservada para futuras obras, já que em dois anos ele vai estar saturado. No trecho oeste mesmo a velocidade máxima é de 100 km/h, mas você só consegue andar a 80 km/h e não há como ampliar” - João Virgílio Merighi

“O Rodoanel é uma obra de altíssima prioridade. A função é separar do tráfego urbano viagens de longo percurso que precisariam passar por São Paulo. Foi uma obra muito cara, com custo de US$ 45,5 milhões por km - a rodovia Carvalho Pinto, por exemplo, custou cerca de US$ 20 milhões por km. Fizeram muitos viadutos para reduzir impactos ambientais, senão ela não seria aprovada, por isso, o preço. Mas não adianta fazer Rodoanel, Marginal, se não ampliarmos o metrô. O nosso ritmo de construção no metrô é de 2 km por ano, para aumentarmos de 70 km para 200 km ? que seria próximo do ideal- demoraríamos 70 anos?. A cidade do México, que começou a construção do metrô na mesma época que o Brasil, há cerca de 40 anos, hoje tem 201 km e ritmo de construção de 6 km ao ano". - Creso de Franco Peixoto

“A obra do Rodoanel é importante porque articula as regiões metropolitanas, mas não é solução para o problema de trânsito. Enquanto tivermos mil carros por dia sendo despejados na rua não há o que resolva” -Marcos Bicalho

“É uma obra que precisava ser feita, mas de um projeto que existe há 30 anos. Estamos muito atrasados. Nosso grande erro começou há 50 anos, quando Juscelino (Kubitschek) trouxe a indústria automobilística ao Brasil e decidimos que a nossa matriz seria a rodoviária. Fomos matando as ferrovias, a ponto de quase eliminá-las. Agora, ficamos remendando. É absolutamente impossível a um País transportar mercadorias sobre pneus. Uma burrice tamanha” -Sílvio Médici

Ampliação da Marginal Tietê
Em 27 de março, o governo inaugurou a nova Marginal, com 23 km em cada sentido, seis novas pistas de rolamento e 36 acessos no sentido da rodovia Castello Branco e 25 no sentido da rodovia Ayrton Senna. O objetivo da ampliação era desafogar o tráfego na via, que é hoje o principal corredor viário da cidade e tem movimento de até 1,2 milhão de viagens por dia, segundo a Secretaria Municipal de Transportes (SMT).

No primeiro dia útil após a liberação, a SMT afirmou, em nota, que a lentidão havia sido 63% menor na Marginal do que a normalmente registrada. A CET, no último dia 17 de maio, divulgou balanço dizendo que a ampliação da Marginal Tietê e o Rodoanel foram responsáveis pelo aumento de 28% na fluidez do trânsito em toda a cidade. Conforme a CET, em abril, o congestionamento na Marginal foi 40% menor que o registrado no mesmo período dos três anos anteriores.

Um balanço realizado pelo jornal "O Estado de S.Paulo", no entanto, mostra que a melhora foi breve. Com base na análise de 476 boletins enviados pela CET em maio, o jornal aponta que a Marginal teve piora de 41% nos congestionamentos em comparação a abril e voltou a ser uma das vias com o maior índice de lentidão da cidade. Saiba o que os especialistas acham da obra:

“A Marginal teve um projeto modesto, que atende a demanda de dois ou três anos, no máximo. Não estamos preparando a cidade para o futuro. Ela deveria ter sido feita em outro patamar, com audiência pública e eleição de um grupo de projetistas para elaborar a ampliação. Não precisava ter sido feita às pressas. Nela, não há um plano B; se chover, ficamos reféns do rio e das enchentes. A sinalização é precária e os acessos extremamente pequenos. A marginal deveria ter também um espaço para veículos leves sobre trilhos” - João Virgílio Merigh

“A Marginal precisava ser feita, mas é um modelo que está fadado a acabar. Precisamos pensar em outras soluções que, na Europa, já são claras, como criação de ciclovias e incentivo às pessoas andarem a pé. Quando se começou a fazer levantamento de tráfego em São Paulo, as viagens a pé representavam 60% dos deslocamentos, hoje são menos que 20%. Precisa-se investir em segurança para que as pessoas voltem a andar nas ruas. No rodoviarismo tudo tem vida útil e com esse modelo não temos condições de voltar a ter fluidez” - Creso de Franco Peixoto

“A Marginal é de uma eficácia bastante discutível e duvidosa, diria até inútil. Até como usuário não vejo mudanças, você investe em uma ligação que já existe e continua com uma via vulnerável a enchentes e acidentes com motoqueiros. Além disso, tira espaço dos outros meios de transporte, como o trem. Com o dinheiro investido (R$ 1,3 bilhão, segundo o governo) daria para fazer quase 8 km de metrô, mas não ficaria pronto no tempo eleitoral” - Marcos Bicalho

“O efeito é apenas paliativo e o custo da obra foi alto, assim como qualquer investimento no sistema viário, porque a cidade está densamente povoada e são precisas muitas desapropriações. Precisamos de mais ônibus de qualidade e metrô” - Silvio Médice

A VERDADE DO RODOANEL

ESTE BLOG TEM COMO PRINCIPAL OBJETIVO DEMONSTRAR A REALIDADE DESTA IMENSA OBRA VIÁRIA, MUITO DIFERENTE DO QUE É DIVULGADO NA GRANDE IMPRENSA E NOS ÓRGÃOS OFICIAIS DE COMUNICAÇÃO, PELO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO E O DERSA. DENÚNCIAS, MATÉRIAS, ARTIGOS, ESTUDOS TÉCNICOS, ENVIEM-NOS UM EMAIL: AVERDADEDORODOANEL@GMAIL.COM



Marginal Tietê
 tem 7 quilômetros de congestionamento - O Globo Online

Marginal Tietê tem 7 quilômetros de congestionamento. Plantão | Publicada em 17/12/2007 às 18h00m. O Globo Online. SÃO PAULO - O motorista deve evitar a ...oglobo.globo.com/sp/transito/mat/2007/.../327647617.asp - Em cache



ao vivo » 
Marginal Tietê tem 17 km de tráfego lento » Arquivo

A Marginal Tietê era a via com maior congestionamento na capital paulista ...g1.globo.com/.../2008/.../marginal-tiete-tem-17-km-de-congestionamento/ - Em cache

 

Chuva provoca 20 km de filas na marginal Tietê e pontos de ...

Icone de São Paulo São Paulo. publicado em 17/12/2009 às 20h22: ... noite desta quinta-feira (17) atrapalha o motorista que dirige pela marginal Tietê. ... No sentido Castello, eram registrados 10 km de congestionamento da rodovia até a ...noticias.r7.com/.../chuva-provoca-20-km-de-filas-na-marginal-tiete-e-pontos-de-alagamento-20091217.html - Em cache


MARGINAL TIETÊ
 TEM MAIS DE 10 KM DE CONGESTIONAMENTO - Intelog ...

6/12/2010. Marginal Tietê tem mais de 10 km de congestionamento. Logística ... Outra via complicada era a Marginal Pinheiros, com 5,5 km de congestionamento ...www.intelog.net/artigosnoticias/go.asp?ID=291021 - Em cache


 

PERFIL DO VEREADOR

João Antonio da Silva Filho, 50 anos, advogado, começou sua militância política nas comunidades de base da Igreja Católica e na área sindical. Integra o PT desde a sua fundação e ocupou os principais cargos de direção partidária, sendo o atual Secretário de Organização do PT Estadual de São Paulo. Na Câmara Municipal de São Paulo, João Antonio é membro da CCJLP, da qual foi presidente de 2006 a 2008. Foi Líder da prefeita Marta Suplicy entre 2003 e 2004. Nas eleições de 5 de outubro de 2008 o vereador foi reeleito para o terceiro mandato, obtendo 33.899 votos. João é natural de São João do Paraíso (MG).


13 DE DEZEMBRO DE 2010

Serra deixou 'monstrengo viário' na Capital

http://1.bp.blogspot.com/_RCBd-uhhyLg/TQYw53xFkkI/AAAAAAAACvo/Kwuhdc3QpTI/s400/marginalobras.jpg
Quem passava no período eleitoral recente pela Marginal do Tietê, uma das principais via de acesso à Capital, notava o ritmo frenético das obras de ampliação tocadas pela administração do então governador tucano José Serra.

Quem hoje passa pela mesma via vê um conjunto de obras inacabadas, em ritmo lento e em alguns trechos completamente abandonadas. As intervenções viárias eram uma cartada eleitoreira de Serra apenas para mostrar no programa eleitoral. Sua intenção era se contrapor ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal.

O resultado desse tipo de politica cujo planejamento é somente eleitoral provoca o caos até nas finanças do Estado, pois as obras já consumiram cerca de R$ 2 bilhões, não trouxeram as mudanças prometidas e ainda não foram concluídas.

Serra deixou um verdadeiro 'monstrengo viário' que complica o trânsito todos os dias, dá a impressão de que não termina nunca e atrasa a vida de todo mundo. Esta é mais uma das 'heranças malditas' dele para o governo que assume em janeiro.

Mídia 'cede lugar' de Serra a outros, diz analista

http://2.bp.blogspot.com/_RCBd-uhhyLg/TQYBHP8RoJI/AAAAAAAACvg/NMaSv9UIMCU/s320/carrancudo.jpg
Do blog do jornalista Luís Nassif

Velha mídia começa a desconstrução de Serra

"Cantei esse movimento no ano passado. O governo Serra era amplamente vulnerável, sem noção de gestão, de planejamento, um grande ausente do dia a dia da administração, preocupado apenas em operar politicamente. Em suma, havia material amplo para uma reavaliação da velha mídia, sobre o "grande gestor" Serra.

Esse processo - alertava no ano passado - teria início passadas as eleições. Haveria, de um lado, o desencanto da velha mídia por ter apostado todas suas fichas, empenhado sua credibilidade em um cavalo manco. Depois, a necessidade de derrubar o empecilho para abrir espaço para os novos futuros candidatos.

É o que está ocorrendo a olhos vistos. A Folha traz a matéria da WikiLeaks sobre as conversas entre Serra e a Chevron.

Hoje, no Estadão, duas matérias fortes. A primeira, sobre os gastos de saúde de Serra no último ano, com as tais policlínicas alardeadas por ele nos debates políticos - comentei inúmeras vezes que, por seu custo, era experiência que não podia ser massificada e, portanto, se transformar em política de saúde.

A matéria do Estadão (de Julia Duailibi e Daniel Bramatt) é completa, um jornalismo que ficou ausente no período eleitoral. Fala dos aumentos desmedido dos gastos em saúde. Ora, mas aumentar gastos em saúde não é uma prática socialmente responsável? Não, foi politiqueiro. Segundo a matéria, o próprio Secretário de Saúde, Luiz Roberto Barradas (grande sanitarista) ameaçou pedir demissão, em razão da explosão de custos do setor". Leia mais.



Paulo Henrique Amorim é jornalista desde quando os bichos falavam. Trabalhou na Manchete, Abril, Jornal do Brasil, Globo, Bandeirantes, Cultura, está na Record; foi do Zaz, Terra, UOL, iG e hoje é responsável por este portal independente, localizado em algum ponto da WEB 2.0. Escreveu o livro "Plim-Plim - A Peleja de Brizola contra a Fraude Eleitoral". Formado em Sociologia e Política, não se utilizou nem de uma nem de outra “ciência” para ganhar a vida. Carioca, pai de uma filha, tem um neto maravilhoso, o Francisco, é Fluminense e torce pelo Salgueiro. As idéias que ele expõe aqui são de sua EXCLUSIVA responsabilidade ! (E espera que o Francisco venha a se orgulhar delas...) 


Chuíça(*): Serra cancela entrevista coletiva por causa da chuva

8/setembro/2009 10:14

Foto da Folha Online registra o choque de ``jestão´´de Serra: carros submersos no Bom Retiro

.19h45. O retorno da chuva atrapalha o trabalho de resgate na divisa de Osasco com Barueri. Segundo a TV Record, uma mulher morreu soterrada no local e três filhos dela estão desaparecidos. Cerca de 300 pessoas, entre bombeiros e integrantes da Defesa Civil das duas cidades tentam localizar as crianças.

.19h20. O rodízio de veículos foi suspenso. Congestionamento chega a 160 quilômetros

. 19h. Estação da Luz parada: não tem trem. Não saia do trabalho.

. Um deslizamento entre as cidades de Osasco e Barueri atingiu pelo menos dez casas. Segundo informação da TV Record, às 18h40, pelo menos oito pessoas estão soterradas. O Corpo de Bombeiros ainda trabalha no local.

. O governo Serra cancelou a entrevista coletiva na qual apresentaria um balanço da lei anti-fumo. Leia abaixo o e-mail enviado pela assessoria de imprensa do governo estadual:

O EVENTO ABAIXO FOI ADIADO EM FUNÇÃO DA CHUVA E DOS CONGESTIONAMENTOS QUE SE FORMARAM NA CIDADE DE SÃO PAULO
Serra apresenta balanço da Lei Antifumo
O governador José Serra apresenta, nesta terça-feira, 8, o balanço de um mês da Lei Antifumo. Desde o dia 7 de agosto ficou proibido fumar em ambientes fechados de uso coletivo como bares, restaurantes, casas noturnas e outros estabelecimentos comerciais no Estado de São Paulo.

Data: Terça-feira, 8 de setembro de 2009
Horário: 14h
Local: Instituto do Câncer Octavio Frias de Oliveira – Av. Dr. Arnaldo, 251 (auditório do 6º andar) – São Paulo/SP


Avenida Morumbi, 4.500
CEP 05650-905 – São Paulo – SP
Telefones: (11) 2193-8624 / 8238
Plantão: (11) 9910-6322 / 7481-6059
www.saopaulo.sp.gov.br


O interessante é que o Zé Pedágio não convocou uma coletiva para tratar do caos da enchente. Mas sim uma coletiva para tratar de sua campanha à Presidência da República, onde o único argumento que tem a oferecer é a campanha anti-fumo.

Paulo Henrique Amorim

. Há ainda 40 de alagamento na cidada, às 18h10, informa a TV Record. A CET contabiliza 144 quilômetros de congestionamento. A marginal Tietê tem vários pontos intransitáveis, no sentido Rodovia Castelo Branco, entre eles, sob as pontes das Bandeiras, Ponte Fepasa e Cebolão. O nível do rio ainda está elevado e podem ocorrer novos transbordamentos, caso volte a chover.

. O congestionamento na cidade ultrapassa os 120 quilômetros, às 18h, informa a TV Record. A emissora exibe imagens de um dos desmoronamentos que ocorreram na Zona Leste da Cidade. No bairro Cidade AE Carvalho, duas crianças foram soterradas. Os corpos delas acabam de ser encontrados pelos bombeiros. Uma delas tinha dois anos. Os dois garotos jogavam videogame quando a mãe fui buscar outro filho na rua, quando a casa desabou.

.Às 17h55, a TV Record exibe imagens do gigantesco congestionamento nas marginais Tietê e Pinheiros. Ao longo do dia, as duas avenidas foram invadidas pelas águas dos rios, que transbordaram.

.Às 16h55 a cidade tinha 54 pontos de alagamento, segundo informe da Agência Brasil. Segundo texto publicado no site, a sede da Empresa Brasil de Comunicação – onde funciona a Agência Brasil, a TV Brasil e a Rádio Nacional – na Vila Leopoldina está ilhada com água a 1,5 metro do chão. Os equipamentos eletrônicos foram colocados no 2º andar já que a água não para de subir.

. As imagens das redes de televisão em circuito nacional mostram o “choque de jestão” do Zé Pedágio.

. A cidade de São Paulo suspendeu a coleta de lixo no centro e nos bairros pobres e as imagens são parecidas com as de Blangadesh ou da Índia debaixo de chuva.

. Por que não há serviço público nos bairros pobres ?

. O lapso da telefonia, os rios transbordam, 120 km de engarrafamento, 46 pontos de alagamento, voos cancelados, um desabamento com pessoas desaparecidas, queda de árvores e na Globo um comercial da Dersa, empresa de transportes do Estado, que descreve São Paulo como se fosse cortada por um conjunto de Autobahns alemãs.

. O comercial na Globo termina com o bordão do Zé Pedágio: “São Paulo trabalhando por você” – ele é chegado a um gerúndio.

. Como o Zé Pedágio não recolhe o lixo, os moradores da Favela do Sapo jogam o lixo nas avenidas e as imagens do helicóptero das redes de televisão mostram como funciona o sistema de saúde pública e saneamento do governador tucano.

. Zé Pedágio deve considerar os moradores da Favela do Sapo uns “vândalos”ou, como diria o Sarkozy, “a ralé”.



Paulo Henrique Amorim

(*) Chuíça é o que o PiG (**) de São Paulo quer que o resto do Brasil ache que São Paulo é: dinâmico como a economia Chinesa e com um IDH da Suíça.

(**)Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário